“A ILGA Portugal lamenta a decisão da UEFA em rejeitar a iluminação arco-íris do estádio de Munique aquando do jogo entre Alemanha e a Hungria, considerando que este seria um gesto simbólico mas de cariz macro no que toca ao posicionamento pró-direitos LGBTI por parte das associações europeias de futebol”, pode ler-se em comunicado.

A associação ligada aos direitos da comunidade LGBTI endereçou ainda um apelo à Federação Portuguesa de Futebol (FPF), pedindo “um posicionamento” àquela instituição, com o hastear de uma bandeira arco-íris na sede, bem como “a promoção de políticas de inclusão e diversidade no contexto do futebol nacional”.

O mesmo apelo foi ainda dado a conhecer ao secretário de Estado da Juventude e do Desporto, João Paulo Rebelo.

A ILGA aplaudiu ainda a proposta da Câmara de Munique, que queria fazer brilhar as cores do arco-íris na resposta a uma legislação aprovada pelo parlamento húngaro.

“A ILGA Portugal recorda igualmente que, enquanto o capitão da equipa alemã, Manuel Neuer, vestiu uma braçadeira arco-íris – alvo da abertura de uma investigação por parte da UEFA [mais tarde levantada] –, o capitão da equipa portuguesa, Cristiano Ronaldo, foi vítima de cânticos de teor homofóbico por parte das bancadas húngaras”, lembra.

A associação considera “fulcral que a FPF se demarque dos mesmos e clarifique que este tipo de discurso de ódio (...) não é bem vindo no desporto”.

Citada em comunicado, a presidente da associação, Ana Aresta, considera a nova legislação um “atropelamento aos direitos humanos” e assinalou a intenção em Munique como “um claro sinal de inclusão e liberdade”, bem como “uma mensagem de segurança para os milhares de jovens LGBTI” que seguem a modalidade.

“Questiona-se se esta decisão teria o mesmo tratamento se o momento simbólico remetesse a outros tipos de ações de afirmação da UEFA, nomeadamente as de cariz comercial”, questiona a dirigente associativa.

O parlamento magiar aprovou uma lei contra a pedofilia que inclui a proibição de falar com menores sobre homossexualidade ou mudança de sexo, na escola e nos media.

A ILGA junta-se assim à enxurrada de críticas à UEFA pelo facto de esta recusar a proposta da câmara municipal de Munique de iluminar o estádio com essas cores em apoio à comunidade LGBT na Hungria.

Para esta decisão, a UEFA argumentou que é uma organização neutra e que iluminar o estádio enviaria uma mensagem política sobre uma decisão tomada pelo parlamento nacional húngaro.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.