Escreve a Euronews, citando a imprensa francesa, que os bombeiros foram alertados para uma explosão na sala das máquinas por volta das 10h00 desta quinta-feira, 9 de fevereiro, na central nuclear de Flamanville, propriedade da EDF. Detalhes avançados pela empresa gestora e partilhados por Denis Cosnard, jornalista do Le Monde, dão conta que a explosão ocorreu às 09h40 e que um dos reatores foi parado por precaução.

Os serviços de emergência deslocaram-se de imediato para o local, onde foi instalado um posto médico.

As autoridades esclareceram de imediato que não existia risco de contaminação nuclear. Escreve o francês Ouest France que o plano especial de intervenção não foi ativado, exactamente por não se ter considerado que existia perigo de contaminação.

"É um incidente técnico significativo, mas não é um acidente nuclear", disse Olivier Marmion, diretor do gabinete da prefeitura (câmara municipal) local.

Adianta ainda o jornal francês que, segundo informações dos responsáveis locais, o incidente foi causado por causa de um curto circuito. Todavia, cabe à EDF fazer uma avaliação dos danos e tirar conclusões sobre o que provocou esta explosão, salienta. Para já, está excluída a hipótese de este incidente ter sido provocado de forma intencional.

Segundo o britânico The Telegraph, as autoridades regionais assinalaram pelo menos cinco feridos ligeiros por inalação de fumo na sequência da explosão que deu origem a um fogo. Esta central nuclear situa-se a 105 quilómetros de solo britânico.

A EDF, empresa responsável por esta central, confirmou entretanto a existência de um fogo "controlado" numa zona "não nuclear". "Não há feridos nem consequências para o ambiente", pode ler-se na nota publicada na rede social Twitter.

Escreve o The Telegraph que as autoridades consideram já o incidente "terminado".

Esta central nuclear foi construída nos anos 1980 e tem dois reatores. Um terceiro está em construção desde 2007. Trata-se de um reator nuclear de terceira geração (EPR), mais seguro e mais potente que os atuais, mas a sua construção sofreu vários atrasos e não terminará antes de 2018.

(Notícia atualizada às 12h18)

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.