"As alegações nos media segundo as quais a minha esposa Carole e outros membros da minha família tiveram um papel importante na minha partida do Japão são falsas e mentirosas. Fui eu que organizei a minha partida. A minha família não teve nenhum papel", garantiu Carlos Ghosn num breve comunicado de imprensa recebido pela AFP.

Carlos Ghosn chegou ao Líbano na segunda-feira, mas o seu local de residência permanece desconhecido. Segundo avançou a agência AFP, o Líbano recebeu ordem de prisão da Interpol contra o gestor.

As condições da saída do Japão - uma fuga segundo as autoridade, uma vez que o ex-CEO da Nissan- Renault não tinha permissão para abandonar o país -  ainda não estão claras.

Foram realizadas buscas em Tóquio e sete pessoas foram presas na Turquia, suspeitas de ajudarem Ghosn na sua passagem por Istambul.

Segundo uma fonte da presidência libanesa, o gestor entrou no país vindo da Turquia e com um passaporte francês e também o cartão de identidade libanês.

Na sua fuga, Ghosn é suspeito de ter alugado um jato particular que partiu do aeroporto de Kansai, no oeste do Japão.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.