O funeral do príncipe Filipe acontece a 17 de de abril, às 15h00 locais, na capela de St. George, em Windsor, segundo anunciou o Palácio de Buckingham, citado pela BBC.

O evento será um "funeral real cerimonial", não um funeral de estado, o que "reflete muito os desejos do duque", disse um porta-voz do palácio.

O funeral, que será transmitido na televisão no Reino Unido, vai "celebrar e refletir" a vida de serviço do duque de Edimburgo, tendo sido adaptado para respeitar as regras de segurança devido à covid-19. Em todo o país será guardado um minuto de silêncio, no início do funeral.

De acordo com as informações divulgadas, a família real vai caminhar atrás da urna, num trajeto com uma duração de 8 minutos. A rainha viaja separadamente até à capela.

O príncipe Filipe participou ativamente na preparação do seu funeral, incluindo no projeto de modificação do veículo, um jipe, que transportará o seu caixão.

A rainha aprovou a recomendação do primeiro-ministro de que haja oito dias de luto nacional, a terminar a 17 de abril. Durante este tempo, as bandeiras vão permanecer a meia haste.

O príncipe Harry – que se afastou dos deveres reais e que está atualmente a viver na Califórnia, comparecerá à cerimónia, mas sem a companhia da sua mulher, Meghan Markle, que se encontra grávida e não deve viajar, a conselho médico, segundo fontes do palácio de Buckingham.

“Embora os arranjos cerimoniais sejam reduzidos, a ocasião celebrará e reconhecerá a vida do duque e dos seus mais de 70 anos de serviço à Rainha, ao Reino Unido e à comunidade”, disse um porta-voz do palácio.

Além disso, foi referido que a lista de convidados para o funeral do duque de Edimburgo vai ser divulgada na próxima quinta-feira.

A cerimónia respeitará as diretrizes do Governo britânico de regras de combate à pandemia de covid-19, que restringe a 30 o número de pessoas autorizadas a estar presentes em funerais, mas o palácio de Buckingham não confirmou se os membros da família serão obrigados ao uso de máscara de proteção individual.

O palácio de Buckingham pediu às pessoas para não se deslocarem até Windsor, sugerindo que aqueles que quiserem prestar homenagem o façam em casa, vendo a cerimónia pela televisão.

O anúncio dos preparativos do funeral foi feito depois de unidades militares em todo o Reino Unido terem disparado saudações de 41 tiros, para marcar a morte de Filipe, homenageando o ex-oficial da Marinha.

Também vários navios de guerra fizeram as suas próprias saudações, em diversos pontos do planeta.

“O duque de Edimburgo serviu entre nós, durante a Segunda Guerra Mundial, e permaneceu dedicado à Marinha Real e às Forças Armadas”, disse o general Nick Carter, chefe do estado-maior das Forças Armadas, num comunicado.

Membros da Commonwealth - um grupo de 54 países chefiado pela monarca - também foram convidados a homenagear Filipe.

O príncipe, que ia completar 100 anos em 10 de junho, tinha saído recentemente do hospital, onde foi submetido a uma intervenção cirúrgica devido a problemas cardíacos, e regressado a Windsor.

Conhecido pelo seu sentido de humor particular, Filipe de Mountbatten, nascido com o título de príncipe da Grécia e da Dinamarca, é o consorte mais antigo da história da monarquia britânica.

Em 2017, o duque de Edimburgo afastou-se das funções públicas.

Desde então, tornou-se cada vez mais raro ver o príncipe Filipe em público, exceto quando participou em grandes eventos familiares.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.