“Sublinhamos que todas as tentativas da Rússia para desligar a central ucraniana são inaceitáveis”, refere o documento da organização que reúne os sete países mais industrializados do mundo.

O G7 refere-se igualmente à necessidade da inspeção do pessoal da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) ao local e em condições de “total liberdade”.

A mesma declaração, assinada pelos diretores responsáveis pela não-proliferação nuclear do G7, considera inaceitável que a central nuclear não “deve ser utilizada para atividades militares ou armazenamento” de material de guerra.

A questão da central nuclear de Zaporijia tornou-se num tema central da campanha militar da Rússia contra a Ucrânia, passados seis meses do início da invasão.

Hoje, o diretor-geral da AIEA, Rafael Grossi, disse que “está a caminho” a tão esperada missão de especialistas do órgão de vigilância da ONU à central nuclear de Zaporijia.

“Chegou o dia”, escreveu Rafael Grossi na rede social Twitter, acrescentando que a “missão de apoio e assistência da AIEA, com sede em Viena, está agora a caminho”.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.