“No total, numa primeira fase serão 94 casas, e 25 já ficam disponíveis nas próximas semanas”, disse Eduardo Vítor Rodrigues, que falava à margem da assinatura de um protocolo com o Instituto da Habitação e Reabilitação Urbana (IHRU) sobre financiamento para a área da habitação no âmbito do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR).

O protocolo pressupõe a disponibilização de 94 casas para famílias que necessitem de apoio na habitação, representando um investimento total de 143 milhões de euros.

“Vamos tentar combinar três dimensões. A dimensão número um é: aquelas que podemos construir em terrenos próprios, vamos construir. Em segundo lugar vamos lançar apelo ao mercado. E, em terceiro lugar, reabilitando o que já existe”, disse Eduardo Vítor Rodrigues numa cerimónia presidida pelo ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos.

O autarca avançou que terá “um trabalho e diplomacia a fazer” que passa por “sensibilizar o mercado, os fundos, os bancos, que têm muitas vezes casas devolutas e podem ser abertas ao mercado numa lógica de responsabilidade social”.

Numa primeira fase, este projeto é 100% financiado pelo IHRU, através do PRR.

Em Vila Nova de Gaia, no distrito do Porto, são cerca de 2.000 as famílias inscritas na autarquia a necessitar de habitação.

O 1.º Direito é um programa de apoio público que visa garantir condições de acesso a uma habitação adequada a pessoas em situação precária e de insalubridade e que não dispõem de capacidade financeira para aceder a uma solução habitacional adequada.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.