Na primeira pergunta ao primeiro-ministro, António Costa, durante a apresentação do Programa do XXII Governo Constitucional, no parlamento, em Lisboa, a coordenadora do BE, Catarina Martins, garantiu que os bloquistas, "com proposta e iniciativa", estão disponíveis "para concretizar as boas intenções" em que há convergência com o PS e que são enunciadas no programa.

"A pergunta, que é a pergunta da legislatura, é se o PS e o seu governo estão dispostos a essa negociação", sublinhou.

Quando tomou a palavra, António Costa foi perentório: "se essa é a pergunta da legislatura, então podíamos encerrar já a legislatura porque a resposta é, obviamente, sim. E a resposta não é de agora".

Durante a intervenção, Catarina Martins começou por sublinhar que apesar deste ser o programa do Governo do PS - que seria "muito diferente" se tivesse sido assinado o acordo de legislatura com o BE - estão refletidas "algumas preocupações" dos bloquistas, "um sinal da vontade de negociar à esquerda as medidas que concretizam este programa, nomeadamente no Orçamento do Estado".

"Mas, senhor primeiro-ministro, a proposta de programa do Governo é marcada também por alguns vazios importantes. E tão importante como os sinais positivos que o governo quis dar aos partidos de esquerda, é o que estes vazios sinalizam. E abordo-os pela mesma ordem: trabalho, saúde, ambiente e energia", criticou.

Na resposta, o chefe do executivo garantiu que este "é um programa que não tem vazios e que tem prioridades".

Entre os vazios, o primeiro destaque de Catarina Martins foi para o trabalho, condenando a ausência de medidas em relação aos "cortes que restam da troika, diminuição de horários, eliminação do fator sustentabilidade que penaliza as pensões" ou ainda que não se concretize a "intenção de combater a precariedade" ou a conclusão do PREVPAP.

"Em segundo lugar, a saúde. Não há no programa do Governo nenhum compromisso de investimento e despesa. Nada sobre medidas tão estruturantes como a exclusividade dos profissionais do Serviço Nacional da Saúde e nenhuma concretização para a dedicação plena", apontou ainda.

A terceira área onde o BE vê vazios é no Ambiente e na Transição Energética, sendo a primeira ausência "o compromisso com metas de investimento".

"O problema é que senão investirmos na eficiência energética, no território e na ferrovia, na descarbonização da economia, nunca teremos contas certas. A emergência climática é a crise. E responder implica investimento", avisou.

(Notícia atualizada às 12h40)

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.