A nova data foi proposta pelo executivo independentista da comunidade autónoma numa reunião realizada no parlamento regional e espera-se que em seguida seja ratificada por um novo decreto de convocação de eleições numa reunião extraordinária do governo da região.

O Partido Socialista da Catalunha (PSC, marca regional do PSOE nacional) foi a única formação política a opor-se à nova data, tendo sugerido um adiamento para 14 ou 21 de março, para deixar passar o pior da terceira vaga da pandemia.

As eleições tinham sido inicialmente marcadas para 14 de fevereiro, devido à inabilitação, decretada pelo poder judicial em setembro passado, do último presidente regional, o independentista Quim Torra, condenado por se ter recusado a retirar uma faixa com conteúdo separatista da fachada da sede do governo regional durante a campanha para as eleições parlamentares nacionais de abril de 2019.

Torra assumiu a presidência da região nas eleições, assim como estas antecipadas, de dezembro de 2017, depois da tentativa falhada de autodeterminação da Catalunha em 1 de outubro do mesmo ano, que terminou com a fuga para a Bélgica do presidente anterior, Carles Puigdemont.

Estas eleições vão ser marcadas pela divisão entre os dois principais partidos independentistas que estão coligados no parlamento regional e apoiam o atual executivo da comunidade autónoma.

A pré-campanha eleitoral foi marcada pela apresentação de Salvador Illa, o atual ministro da Saúde espanhol, como candidato socialista à presidência do Governo regional.

A candidatura desta personalidade muito conhecida, que tem dado a cara na luta contra a pandemia de covid-19, está a dar que falar, aparecendo o PSC com uma subida substancial nas intenções de voto na Catalunha.

Illa poderia mesmo, segundo alguns observadores, levar os socialistas a ser os mais votados e substituir o Cidadãos (direita-liberal nacional) como primeiro partido catalão, apesar de as formações independentistas poderem continuar a ter uma maioria de deputados regionais.

A questão da independência divide profundamente esta região de 7,5 milhões de habitantes, até há pouco considerada a mais rica de Espanha.

Com uma incidência acumulada de 523 casos por 100.000 habitantes nos últimos 15 dias, o dobro do nível de risco extremo de 250, a pandemia está a aumentar em praticamente todas as comunidades, que estão muito preocupadas com o aumento da pressão sobre os hospitais.

Espanha registou na quinta-feira 35.878 novos casos de covid-19 notificados nas últimas 24 horas, elevando para 2.211.967 o total de infetados, segundo números do Ministério da Saúde espanhol.

As autoridades sanitárias espanholas também contabilizaram mais 201 mortes desde quarta-feira atribuídas à covid-19, passando o total de óbitos para 53.079

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.