Dos seus helicópteros pesados do Estado, um está acidentado desde 2012, outros dois estão para reparação desde 2015 e os restantes três Kamov que têm estado aptos para voar estão também parados, dois para manutenção e um por “ausência de certificação”.

Numa resposta enviada à agência Lusa, o MAI explica que dois Kamov estão “a realizar a grande manutenção dos 10 anos” e o terceiro está operacional, “apesar de indisponível por ausência de certificação de um componente pela autoridade aeronáutica” e deverá iniciar este mês “a grande manutenção” dos 10 anos.

O Ministério da Administração Interna refere também que estes três Kamov “deverão estar operacionais para o dispositivo de combate aos incêndios”.

Quanto à reparação dos dois helicópteros inoperacionais desde 2015, o MAI adianta que o arranjo faz parte do objeto do grupo de trabalho criado entre os ministérios da Administração Interna e da Defesa Nacional para trabalhar na transição da gestão e controlo dos meios aéreos de combate a incêndios para a Força Aérea.

Estes dois helicópteros do Estado já não integraram o dispositivo de combate a incêndios florestais nos três últimos anos.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.