Em declarações à margem da assinatura do protocolo do projeto piloto inserido no programa "Alimentação saudável", que hoje começou em Santo Tirso, o governante confirmou a vontade do Governo de retomar uma comparticipação interrompida em 2011 com a chegada da "troika" a Portugal.

"Confirmo que está no Orçamento de Estado um artigo que recomenda ao Governo voltar a comparticipar os tratamentos termais", afirmou Fernando Araújo dando conta da constituição de um grupo de trabalho envolvendo os ministérios da Saúde, Economia e Finanças para "avaliar as condições em que tal pode ser implementado".

Da prescrição médica à conferência de faturas, passando pela avaliação de tabelas de preços compreensivos e o impacto que tal pode ter na saúde dos portugueses são os itens, segundo o secretário de Estado, que o grupo terá para análise.

"É importante ter a informação necessária para tomar decisões e a confiança de que esses tratamentos termais tenham impacto na saúde e em determinado tipo de patologias que reduza o acesso às urgências, consumo de medicamentos e meios complementares de diagnóstico", acrescentou.

Precisando que a alteração "será para um modelo diferente, mais exigente, mais rigoroso e que assente na mais-valia do ponto de vista médico", Fernando Araújo garantiu que as "recomendações que o grupo de trabalho está a elencar irão ser avaliadas pelo Governo no sentido de cumprir com o que está no OE".

"Acreditamos que as termas têm impacto em termos de saúde, queremos demonstra-lo e, com esses benefícios, incluir essas prestações em termos de comparticipação aos utentes", concluiu Fernando Araújo que não se quis comprometer com uma data para o início das ajudas, mas que, segundo o Jornal de Notícias, poderá avançar no segundo semestre de 2018.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.