“Uma das sessões da Operação Fénix [processo relacionado com a utilização ilegal de seguranças privados], marcada para sexta-feira, não irá realizar-se porque não vai haver pessoal para garantir a segurança e do transporte dos reclusos” para o tribunal, disse Jorge Alves em conferência de imprensa em frente ao tribunal do Monsanto.

A greve do Grupo de Intervenção e Segurança Prisional (GIPS), unidade de elite do corpo da guarda prisional, que hoje começou, visa protestar contra a falta de condições de trabalho, falta de ações de formação e segurança nas instalações.

“O acesso ao GISP é rigoroso e deve ser rigoroso mas a dada altura não vamos ter pessoal com idade e com tempo suficiente para poder concorrer ao grupo e vamos ter de esperar ainda mais tempo e isso pode trazer mais problemas na gestão do dia-a-dia de serviço de um grupo como o nosso”, disse o sindicalista.

Jorge Alves defendeu que o GIPS “deve e tem que existir porque é o garante limite da segurança dos serviços prisionais”.

“O GISP [composto por 120 elementos] é a última salvaguarda daqueles que trabalham nas cadeias”, sustentou.

Durante esta semana, estão assegurados os serviços mínimos com equipas operacionais de intervenção em Lisboa e no Porto, disse Jorge Alves.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.