“O balanço é positivo do nosso ponto de vista. A percentagem de trabalhadores da área comercial em greve andou à volta de 95%”, revelou à agência Lusa Carlos Costa, da Fectrans – Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações.

Segundo o responsável, a greve afetou “o funcionamento na venda de bilhetes, de passes e toda a parte de bilhética, de controlo, partidas e registos de entradas de passageiros”.

Carlos Costa indicou, contudo, que a greve pode não ter tido muito impacto para os passageiros, uma vez que “a chefia assumiu o lugar dos trabalhadores em greve”.

Na área comercial da Soflusa trabalham “cerca de 20 a 25” pessoas, que reivindicam a valorização da carreira de agente comercial, a formação em novas aplicações a nível de bilheteira e a contratação de novos trabalhadores.

A greve também esteve convocada para dia 31 de outubro passado, mas foi suspensa devido à apresentação de uma proposta por parte da empresa, relacionada com a “valorização de carreira” e com a “equiparação a outras áreas”.

Em declarações à Lusa na sexta-feira, Carlos Costa adiantou que, apesar de a proposta estar dentro do que se pretendia, a greve desta segunda-feira iria manter-se por uma “divergência com um dos sindicatos que está fora dos subscritores do pré-aviso”.

O responsável espera agora que, na próxima reunião, que se realiza na sexta-feira, seja possível chegar a um acordo.

“Agora só na próxima reunião com a administração, dia 09 de novembro, é que poderemos falar sobre isso. As divergências podem nem persistir e podemos chegar a um acordo. Neste momento não sei”, referiu.

A agência Lusa tentou contactar a administração da empresa, mas até ao momento não foi possível.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.