“Efetuadas as diligências julgadas necessárias à descoberta da verdade material e no decurso de todas as diligências foram ouvidas as partes envolvidas no referido inquérito, não ser verificou os indícios suficientes para a continuidade do inquérito, dai deu-se origem ao arquivamento total dos respetivos autos”, pode ler-se na certidão.

A certidão foi emitida na terça-feira pelo serviço do Ministério Público da vara crime do Tribunal Regional de Bissau.

Em abril de 2019, a Polícia Judiciária da Guiné-Bissau apreendeu, no âmbito de uma operação denominada “Arroz do Povo”, várias centenas de toneladas de arroz doado pela China, que segundo aquela força de investigação criminal, estava a ser preparado para ser vendido ao público.

Na sequência da apreensão do arroz, a PJ tentou deter o ex-ministro da Agricultura Nicolau dos Santos, mas foi impedida pelas forças de segurança.

O arroz acabou por ser distribuído à população pelo anterior Governo, liderado por Aristides Gomes.

No total, a China doou 2.638 toneladas de arroz, no valor de três milhões de dólares (2,53 milhões de euros). O arroz chegou a Bissau em 26 de janeiro de 2019.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.