“A Guiné Equatorial atribui uma importância capital às relações de cooperação com a república irmã de Portugal e estamos dispostos a colaborar nas relações de cooperação. Queremos reafirmar e também aprofundar, diversificar a cooperação nas áreas de interesse comum para benefício recíproco”, declarou hoje o chefe da diplomacia da Guiné Equatorial, Simeón Angüé, após uma visita à sede da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), com que iniciou a sua deslocação a Portugal.

A Guiné Equatorial quer apostar na “diversificação da economia para ter mais fonte de receitas, além do setor de hidrocarbonetos”, indicou.

O ministro deu os exemplos do turismo e da pesca como áreas em que Portugal tem “potencial e experiência que pode partilhar com a Guiné Equatorial”.

O Governo, liderado por Teodoro Obiang Nguema desde 1979, “atribui uma importância capital às relações de cooperação com Portugal e com a CPLP”, referiu Angüé.

“Esta visita que estou a realizar a Portugal é um símbolo inequívoco [da vontade] de aprofundar e de reafirmar a relação de cooperação entre a Guiné Equatorial e os países da CPLP, em geral, e com Portugal, em particular”, sublinhou.

O ministro dos Negócios Estrangeiros e Cooperação, que inicia hoje a sua primeira visita oficial a Portugal, foi recebido ao final da manhã pela secretária-executiva da CPLP, Maria do Carmo Silveira, e pelos embaixadores dos países-membros junto da organização, que estavam reunidos em comité de concertação permanente (CCP).

Fontes do Governo da Guiné Equatorial disseram à Lusa que o chefe da diplomacia equato-guineense deverá ser recebido esta terça-feira pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, mas o executivo português ainda não confirmou este encontro.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.