Parece pouco provável que um radialista que passa apenas jazz, blues e música de big band das primeiras décadas do século XX no seu programa de rádio emitido a partir de Longyearbyen — o centro administrativo do arquipélago de Svalbard, pertencente à Noruega e situado em pleno mar do Ártico — tenha uma base de seguidores maioriariamente portuguesa.

No entanto, desde a noite desta terça-feira, foi o que passou a acontecer. Num dos diretos que tem feito a partir da rede social Instagram e que tem atraído audiências médias de 40 mil pessoas, Bruno Nogueira esteve à conversa com Nuno Markl e este mencionou a história de Cal Lockwood, descrevendo a sua rádio como a "mais acolhedora do planeta".

Receba estas sugestões no seu e-mail

"Acho Que Vais Gostar Disto" é uma rubrica do SAPO24 que lhe sugere o que ver, ler e ouvir.

Se quer receber estas sugestões confortavelmente no seu e-mail, basta subscrever a rubrica em formato newsletter através deste link.

Referindo que este tinha um programa de rádio online — na Arctic Outpost Radio AM1270, utilizando ondas de rádio AM — e uma conta de Instagram com apenas três seguidores, Markl apelou aos espetadores que passassem a seguir a conta de Instagram de Lockwood,

Mais de 12 horas depois, o resultado é este: apesar de ter apenas seis publicações, a conta de Cal Lockwood tem mais de 40 mil seguidores, sendo a grande maioria de portugueses, e as publicações contam agora com milhares de comentários em língua portuguesa.

Como resposta, o radialista não só agradeceu aos ouvintes portugueses como passou mesmo uma música interpretada pelopianista e compositor português Mário Laginha, "Fuga em Fá Maior"

No entanto, uma das consequências desta iniciativa é que o seu programa de rádio emitido online começou a sofrer problemas de conexão devido a um "onda de ouvintes", reconhecendo Lockwood na sua página oficial que esta se deve ao seu novo público português, tendo publicado a mensagem "Olá, Portugal!"

"Pedimos desculpa se estiver a experienciar problemas ao conectar-se ao nosso stream na internet. Temos estado a bater o nosso limite máximo de ouvintes durante horas. Estamos a trabalhar para melhorar ou adicionar novos streams", lê-se ainda na comunicação.

Lockwood enviou também uma mensagem a Nuno Markl, onde confessou que começou a rádio como projeto pessoal porque "já ninguém ouve rádio em AM", mas acabou por transmitir o seu programa online também por sugestão de um amigo.

"Nestes tempos de isolamento, esta inesperada ponte Portugal - Polo Norte foi uma espécie de fábula que envolveu muita gente e tornou a solidão menos solitária. E ele passa música incrivelmente boa", escreveu Nuno Markl na publicação onde partilha a conversa com Lockwood.

"A passar discos de 78 [rotações] a partir de 77 graus de latitude", é como se apresenta o radialista a partir da página oficial, explicando que passa música criada entre 1902 até 1958, abrangendo esta os géneros big band, jazz, country e blues.

Com o nome "Como é que o bicho mexe", a iniciativa de Bruno Nogueira tem contado com vários convidados conhecidos, desde Nelson Évora a Salvador Sobral, assim como João Manzarra, João Quadros, Filipe Melo e Nuno Markl.

[Notícia corrigida às 15:48]

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.