Em resultado das agressões, a vítima, de 37 anos, sofreu perda total da visão e perda parcial grave da audição, além de “dano estético importante”.

Ficou com incapacidade total para o trabalho.

O arguido responde pelos crimes de homicídio agravado, na forma tentada, e de roubo agravado.

Segundo a acusação, a que a Lusa teve acesso, os factos ocorrem na tarde de 03 de julho de 2018, num bar explorado pela vítima e onde o arguido trabalhava à noite.

O arguido “foi manifestando intenção de namorar” com a vítima e ficou “obcecado” por ela, dizendo mesmo a amigos e colegas de trabalho que ela era sua namorada.

No entanto, a vítima nunca aceitou qualquer relacionamento com o arguido.

No dia dos factos, numa altura em que estava sozinho com a vítima no bar, o arguido, e ainda segundo a acusação, decidiu matá-la, tendo agredido a vítima em várias partes do corpo e com vários objetos. Por fim, tentou asfixiá-la. A vítima fingiu estar morta e só então o arguido desistiu das agressões.

Tirou 200 euros que a vítima tinha no bolso, levou-lhe um telemóvel e ainda 80 euros que havia na caixa e abandonou o bar, trancando todas as portas.

A vítima conseguiu arrastar-se até uma janela e gritou por auxílio, tendo sido socorrida pela GNR e bombeiros.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.