O requerimento proposto pelo PSD foi aprovado na reunião daquela comissão parlamentar, com a abstenção do PS, que contestou o “retrato” traçado pelos sociais-democratas sobre o ponto em que está o dispositivo de combate a incêndios no terreno.

Votando a favor da audição, o deputado do PCP António Filipe observou que “não há semana em que o PSD não proponha uma audição” ao ministro da Administração Interna, ironizando que os sociais-democratas querem criar a figura do “debate quinzenal” com o ministro Eduardo Cabrita.

“As trapalhadas do MAI obrigam a que ele seja chamado mais vezes”, justificou a deputada do PSD Emília Cerqueira, considerando que os “anúncios” feitos pelo ministro nestas matérias “não descansam” e “são sistematicamente desmentidos pela realidade”.

“Urge ouvir o ministro da Administração Interna face a sucessivos adiamentos da colocação do dispositivo no terreno quando estamos em época de incêndios”, disse.

A deputada defendeu que o ministro deve explicar qual o ponto da situação na contratação dos meios aéreos de combate aos fogos e em que condições foram realizados aqueles contratos.

O PSD quer ainda perceber se os equipamentos de proteção individual, como capacetes e óculos, e o material que vai ser usado pelos militares do Grupo de Intervenção e Socorro (GIPS) no terreno já foram entregues e qual o ponto da situação nas limpezas das matas, propondo urgência na audição.

Pelo PS, o deputado Filipe Neto Brandão defendeu que a comissão competente para a matéria seria a comissão parlamentar de Agricultura e contestou o “retrato” feito pelo PSD que disse já ter sido “infirmado pelo ministro”.

A próxima audição regimental ao ministro da Administração Interna está prevista para dia 26 de junho.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.