Os dados hoje reportados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) traduzem uma recuperação das exportações em abril face ao recuo homólogo de 5,4% registado no mês anterior, enquanto as importações aceleraram relativamente à variação de 0,7% verificada em março.

Segundo o INE, “estas evoluções refletem, em parte, efeitos de calendário, dado que abril de 2018 teve mais dois dias úteis que abril de 2017”.

No trimestre terminado em abril de 2018, as exportações e as importações de bens aumentaram, respetivamente, 5,2% e 7,1% face ao mesmo período de 2017.

No mês de abril, o défice da balança comercial de bens foi de 1.253 milhões de euros, diminuindo 39 milhões de euros face ao mês homólogo de 2017.

Excluindo os combustíveis e lubrificantes, a balança comercial atingiu um saldo negativo de 972 milhões de euros, correspondente a um aumento do défice de 19 milhões de euros em relação a abril de 2017.

Em comunicado, o ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, considera que “este resultados mostram que, apesar do arrefecimento do crescimento na União Europeia, a indústria portuguesa continua fortemente competitiva e a registar bons crescimentos quer nos mercados europeus, quer no mercado extracomunitário”.

O ministério destaca que o crescimento homólogo de 18,1% das exportações em abril (equivalente a mais 708 milhões de euros) “está alicerçado num conjunto diversificado de setores”, realçando-se a subida de 46% (300 milhões de euros) do material de transporte e de 10% (40 milhões de euros) dos produtos alimentares e bebidas.

“O crescimento é também transversal aos mercados de destino mais relevantes - Espanha (+18%), França (+25%), Alemanha (+24%) e Brasil (+55%)” – sustenta o executivo, acrescentando que a subida das exportações acima das importações “contribuiu para uma melhoria do saldo da balança comercial”.

De acordo com o INE, em abril as exportações cresceram 18,1% essencialmente devido ao aumento de 21,1% das exportações intra-UE (-0,4% em março de 2018), tendo as importações aumentado 13,1% também sobretudo devido ao acréscimo de 15,8% no comércio intra-UE (+1,0% em março de 2018).

Excluindo os combustíveis e lubrificantes e em termos homólogos, em abril as exportações cresceram 17,7% e as importações aumentaram 14,5% (-5,4% e -0,2%, respetivamente, em março de 2018).

No que respeita às variações face ao mês anterior, em abril de 2018 as exportações diminuíram 1,8% e as importações decresceram 1,1%, em ambos os fluxos devido ao comportamento do comércio intra-UE, dado que no comércio extra-UE se registaram aumentos.

No trimestre terminado em abril de 2018, as exportações e as importações aumentaram 5,2% e 7,1%, respetivamente, face ao mesmo período de 2017 (+2,9% e +6,6%, pela mesma ordem, no 1º trimestre de 2018).

Em abril de 2018, face ao mês homólogo de 2017, quase todas as grandes categorias económicas registaram acréscimos nas exportações, com destaque para o material de transporte (+46,0%) e os fornecimentos industriais (+11,3%).

Nas importações houve aumentos em todas as grandes categorias económicas, evidenciando-se os fornecimentos industriais (+18,1%), as máquinas e outros bens de capital (+17,6%) e o material de transporte (+15,0%).

No que se refere aos principais clientes de Portugal, em abril destacam-se os acréscimos homólogos das exportações para Espanha, França e (+17,6%, +25,0% e +24,4%, respetivamente), sendo que apenas as exportações para Angola e Bélgica diminuíram (-6,4% e -1,2%, respetivamente).

Entre os principais fornecedores, o INE reporta que em abril houve aumentos “na quase totalidade dos países”, destacando-se as importações de Espanha, França e Alemanha (+11,5%, +39,1% e +14,9%, respetivamente).

Somente as importações originárias do Brasil diminuíram (-52,0%), facto justificado sobretudo pela redução verificada na aquisição de combustíveis e lubrificantes.

[Notícia atualizada às 15:49]

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.