A Operação Weka identificou 760 migrantes que tinham caído nas redes de tráfico ilegal, alguns deles aguardando em Marrocos a travessia em direção a Espanha a bordo de botes pneumáticos.

Segundo a ONU, a diferença entre os dois conceitos — tráfico ou contrabando de pessoas pelas máfias de imigração ilegal –, consiste em que na primeira as vítimas são vendidas recorrendo “ao uso da força”, e na segunda oferecem aos migrantes uma forma ilegal de emigrar do seu país para outro a troco de dinheiro.

A polícia nacional espanhola anunciou que 64 dos detidos foram intercetados em Espanha, indicou a agência noticiosa Efe.

Os serviços de informações espanhóis contribuíram para a operação com a detenção dos contrabandistas de migrantes que operavam no país magrebino norte-africano, assinalou a Efe.

Foi em Marrocos que a Operação Weka (“Stop” em suaíli) estabeleceu o seu centro de comando e onde efetuou o maior número de detenções, 49 das 195, quase todas relacionadas com tráfico de migrantes.

O dispositivo, que decorreu entre 28 de março e 02 de abril, foi coordenado por uma unidade da Interpol e recolheu informações provenientes de vários países de origem e destino das vítimas do tráfico de pessoas, como o Sudão, República do Congo, Espanha, Grécia e Marrocos.

No Sudão, a polícia resgatou 100 pessoas e deteve outras 20, incluindo traficantes que exploravam crianças numa fábrica de plásticos.

Pelo menos 29 pessoas provenientes da Líbia, Síria e Jordânia foram libertadas na República do Congo, onde eram exploradas por uma empresa de construção que lhes confiscou os passaportes e sem pagamento dos salários.

A colaboração do Quénia e do Uganda permitiu desarticular um grupo que traficava raparigas menores, incluindo uma de dez anos que foi libertada após ter sido vendida a uma família e efetuado trabalhos forçados.

Na África do Sul, a polícia investiu numa fábrica e resgatou 17 cidadãos do Mali que trabalhavam 15 horas diárias sem comida nem descanso, e na Grécia, no aeroporto de Atenas, foram detetados nove sírios que pretendiam sair do país com passaportes romenos falsificados e que fingiam constituir uma equipa de voleibol.

No comunicado, a Interpol assinala que a pandemia de covid-19 está a acentuar este género de situações e que os mais vulneráveis estão ainda mais desesperados para escaparem à “dureza” do seu quotidiano.

A organização policial também sublinhou que o contrabando de pessoas e o tráfico de migrantes estão muito relacionados, ao exemplificar com o caso de uma rapariga congolesa de 15 anos que, com o objetivo de fugir a um casamento forçado, caiu em poder de uma máfia de imigração onde sofreu abusos sexuais. Por fim, foi resgatada em Tunes.

“É por tudo isto que a Interpol continuará a ajudar os países com os casos complexos de tráfico de pessoas, o que levará sem dúvida a novas detenções nos próximos meses”, declarou Jürgen Stock, secretário-geral da Interpol.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.