“Prevemos que mais de dez milhões de pessoas possam fugir das suas casas se a violência continuar, incluindo quatro milhões que podem atravessar para países vizinhos”.

Em sete dias de conflito, mais de um milhão de refugiados já deixaram a Ucrânia, um país com cerca de 43 milhões de cidadãos, para países vizinhos, especialmente a Polónia, segundo dados da agência das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR).

A UNICEF indicou que metade deste total, ou seja cerca de meio milhão, são crianças, num comunicado em que disse esperar que os números continuem a aumentar rapidamente nos próximos dias.

Entretanto, há menos detalhes sobre o número de deslocados internos, embora a ONU note que a principal companhia ferroviária ucraniana já tinha notificado em 28 de fevereiro a retirada de mais de 500.000 pessoas das zonas de conflito, principalmente de partes do leste e centro do país, em direção ao oeste.

O porta-voz disse que as Nações Unidas ainda estão a trabalhar para reforçar a sua resposta humanitária e que, embora tenha retirado parte do seu pessoal de Kiev, outros funcionários permanecem na capital ucraniana e estão a apoiar a retirada de civis e a prestação de assistência.

A ONU confirmou a morte de 249 civis e ferimento de outros 553 desde o início da guerra, embora advertindo que os números reais podem ser muito superiores.

A comissária europeia dos Assuntos Internos revelou hoje que a Europa já acolheu perto de um milhão de refugiados ucranianos e alertou que “milhões mais” chegarão em fuga da guerra.

“Já recebemos na Europa quase um milhão de refugiados da Ucrânia. Vamos assistir [à vinda de] milhões mais”, disse Ylva Johansson, numa conferência de imprensa após uma reunião de ministros dos Assuntos Internos da UE, na qual foi alcançado um “acordo histórico” para ativar, pela primeira vez, a diretiva que concede proteção temporária no bloco a refugiados.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.