"As empresas mais afetadas foram as grandes empresas de manufatura, com mais de 110 pessoas, que precisam de matéria-prima e de exportar e precisam destas estradas [ex-scut – vias sem custo para o utilizador]. Foram as mais afetadas. Quanto ao emprego, a realidade é a mesma. Foram perdidos mais empregos em empresas industriais e maiores", afirmou João Pereira dos Santos.

Este investigador falava hoje na Covilhã, no Fórum Público pela Reposição das scut - Sem Custos para o Utilizador, na A23 e na A25, onde apresentou um estudo sobre o impacto das portagens no empreendedorismo privado e na sinistralidade rodoviária.

Já em relação à sinistralidade, adiantou que o número total de acidentes em cada município afetado pela introdução de portagens aumentou 04% comparativamente aos municípios sem portagens.

O investigador disse ainda que se começou a interessar por este assunto após o anúncio da redução na cobrança das portagens de 15% e questionou-se: "Porquê 15% e não 10 ou 20%? Onde está o custo-benefício?".

"Esses estudos não foram feitos. Foi uma decisão política feita de uma forma muito à pressa, sem ponderar os custos", frisou.

Adiantou ainda que desde o início da introdução das portagens nas ex-scut os custos são "altíssimos" e não fazem qualquer sentido.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.