Helen McEntee, hoje ouvida na comissão parlamentar de Assuntos Europeus da Assembleia da República, lamentou a “falta de progressos substanciais” quanto à fronteira entre a República da Irlanda e a Irlanda do Norte.

A questão “é absolutamente decisiva” para a Irlanda, frisou, referindo o Acordo de Paz de Sexta-Feira Santa (1998), que pôs fim a três décadas de confrontos entre nacionalistas e unionistas através do reforço dos laços entre os dois territórios e a cooperação “em muitos setores”.

“Proteger a integridade do mercado único e da união aduaneira é prioritário para nós”, afirmou.

A ministra recordou que o acordo de divórcio entre Londres e Bruxelas “deve estar pronto em outubro”, para dar tempo para a ratificação por todos os Estados-membros até à data oficial de saída, 29 de março de 2019.

Na quinta-feira, disse, o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, e o principal negociador europeu para o ‘Brexit, Michel Barnier, vão a Dublin para avaliar o impacto da “falta de progressos” quanto à fronteira nas negociações.

Após o ‘Brexit’, a fronteira irlandesa será a única fronteira terrestre entre o Reino Unido e a UE.

O executivo da primeira-ministra britânica Theresa May concorda com a necessidade de evitar a introdução de uma fronteira física, mas recusa o plano da UE de, caso de não se chegue a um acordo, a ilha ficar totalmente incluída na união aduaneira.

Londres rejeita esta hipótese porque ela se traduziria numa fronteira de facto entre a província autónoma da Irlanda do Norte e o resto do Reino Unido.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.