"A proposta [de Orçamento do Estado] é da responsabilidade do Governo minoritário do PS. Não há nenhuma maioria parlamentar nem nenhum acordo que garanta em abstrato a sua aprovação", referiu.

Falando em Viana do Castelo, durante uma assembleia da organização distrital do PCP, Jerónimo de Sousa adiantou que o partido não assinará "de cruz" o Orçamento.

"O PCP não desperdiçará nenhuma oportunidade para fazer avançar direitos e salários, é isso que temos feito. Mas não peçam ao PCP para assinar de cruz seja o que for", avisou.

Disse que o PCP "honrará a palavra dada", mas não está disponível para dar "uma palavra no escuro".
"Não podem pedir ‘assinem lá de cruz' que depois a gente logo vê", sublinhou.

Jerónimo de Sousa reagia à entrevista do líder do PS, hoje publicada no DN, em que António Costa admite que sem Orçamento para 2019 a queda do Governo "é inevitável".

O secretário-geral do PCP criticou estas referências ao orçamento para 2019 numa altura em que ainda se está "a meses" de se conhecer a proposta, críticas que estendeu ao Presidente da República.

"Há poucos dias, ouvimos o Presidente da República pronunciar-se pela viabilização do Orçamento com um determinismo que surpreende. Segundo o seu raciocínio, o que importa é que ele seja aprovado, não interessa como, nem com que conteúdo nem que ele não exista", referiu o líder do PCP.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.