Num repleto salão nobre da Reitoria da Universidade de Lisboa, Jerónimo de Sousa apresentava o programa do PCP de comemorações do centenário da Revolução de Outubro (07 de novembro no calendário ocidental), que vão decorrer ao longo de 2017, sob o lema: "socialismo, exigência da atualidade e do futuro".

"O projeto de democracia avançada e a sua realização, sendo parte integrante da luta pelo socialismo, são igualmente indissociáveis da luta que hoje travamos pela defesa, reposição e conquista de direitos, pela rutura com a política de direita e pela concretização de uma política patriótica e de esquerda, fazendo parte da luta pela democracia avançada, assim como a luta por esta é parte integrante da luta pelo socialismo, num processo que não separa, antes integra, de forma coerente, o conjunto de objetivos de luta", disse.

Referindo-se ao atual programa político comunista - "uma democracia avançada, os valores de Abril no futuro de Portugal" -, o líder do PCP sublinhou que o seu partido "não abdica de o ser, determinado, combativo, consciente do seu papel, firme no seu ideal e na afirmação do seu projeto transformador e revolucionário", tendo "sempre presente no horizonte da sua ação e intervenção a construção da sociedade nova - o socialismo, condição de futuro inseparável da plena libertação e realização humanas".

"São muitos os problemas as dificuldades e os problemas a vencer, mas é no socialismo e não no capitalismo que os trabalhadores e os povos encontrarão resposta para as suas aspirações de liberdade, igualdade, justiça, progresso social e paz", vincou.

Segundo Jerónimo de Sousa, "a revolução socialista transformou a velha e atrasada Rússia dos czares num país altamente desenvolvido, capaz de conter, como conteve durante décadas, o objetivo de domínio mundial do imperialismo".

"A União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS), num curto período de tempo histórico, alcançou um significativo desenvolvimento industrial e agrícola, erradicou o analfabetismo e generalizou a escolarização e o desporto, eliminou o desemprego, garantiu e promoveu os direitos das mulheres, das crianças, dos jovens e dos idosos, o desenvolvimento de múltiplas formas de expressão artística, conquistou um elevado nível científico e técnico", elogiou.

O secretário-geral comunista afirmou que a URSS foi "o primeiro país do mundo a pôr em prática ou a desenvolver, como nenhum outro, direitos sociais fundamentais, como o direito ao trabalho, a jornada máxima de oito horas de trabalho, as férias pagas, a igualdade de direitos de homens e mulheres na família, na vida e no trabalho, os direitos e proteção da maternidade, o direito à habitação, assistência médica gratuita, sistema de segurança social universal e gratuito e a educação gratuita".

Jerónimo de Sousa destacou ainda o "contributo determinante para a vitória sobre o nazi-fascismo na II Guerra Mundial".

Porém, reconheceu o "profundo revés" verificado "com as derrotas do socialismo na URSS e no leste da Europa", "resultantes de fatores de ordem interna e externa e da cristalização de um ‘modelo' que se afastou e entrou mesmo em contradição com as características fundamentais da sociedade socialista, onde pesa, entre outras causas da derrota, o enfraquecimento da natureza popular do poder político, um poder que crescentemente se afastou da opinião, controlo e intervenção dos trabalhadores e das massas populares".

"Partiremos para as comemorações, enfrentando os detratores da história e uma previsível e redobrada ofensiva ideológica anticomunista de desfiguramento da Revolução de Outubro, da subsequente experiência histórica de construção do socialismo e do papel dos comunistas na história contemporânea para tentar evitar que os trabalhadores e os povos tenham a compreensão e a consciência que existe alternativa ao capitalismo - esse sistema que expropria direitos sociais e civilizacionais e leva a guerra a várias partes do globo, sempre em nome de mais e mais lucro", continuou.

Para o líder do PCP, o regime capitalista está "mergulhado numa das suas mais profundas crises" e "nada mais tem a oferecer aos povos se não o agravamento da exploração, o desemprego, a precariedade, o aumento das injustiças e desigualdades sociais, o ataque a direitos sociais e laborais, a negação de liberdades e direitos democráticos, a usurpação e destruição de recursos, a ingerência e a agressão à soberania nacional, o militarismo e a guerra".

Há um século, após o derrube, em março, do Czar Nicolau II e instituição de um regime republicano, o Partido Bolchevique, liderado por Lenine, protagonizou a "Revolução Vermelha", em novembro de 1917, derrubando o governo provisório para impor o regime socialista soviético, que vigoraria até 1991.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.