"As pessoas que pedem esta recontagem são as pessoas comuns, com meios financeiros normais. E isso não lhes permite pagar um milhão de dólares requerido pelo tribunal", disse Stein num e-mail enviado ao tribunal estadual da Pensilvânia. "A #Recontagem2016 é tão dispendiosa por causa dos dirigentes eleitos que sempre se negaram a financiar um sistema de votação digno do século XXI", disse Stein no Twitter.

Os advogados de Trump têm procurado parar com a revisão das eleições que tinha sido solicitada por Stein, apoiada posteriormente por Hillary Clinton, em Wisconsin, Michigan e Pensilvânia. Os representantes do presidente eleito argumentam que a recontagem colocaria a Pensilvânia em "grave risco" de que os seus representantes no colégio eleitoral, que deve designar formalmente o presidente a 19 de dezembro, não chegassem a ser certificados antes da data limite de 13 de dezembro.

Em Michigan, o procurador-geral Bill Schuette, um republicano, defendeu que o pedido de Stein é excessivo, por ter obtido neste estado um resultado muito baixo (1%) para "legitimar uma recontagem".

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.