A TVI noticiou esta quarta-feira, 20 de fevereiro, que a bactéria responsável pela doença dos legionários foi detetada no IPO de Lisboa, informação posteriormente confirmada pelo presidente do Instituto Português de Oncologia de Lisboa Francisco Gentil, João Oliveira.

Nos esclarecimentos prestados à imprensa esta manhã, o presidente do IPO de Lisboa garantiu que "não há qualquer risco" para as pessoas que estão internadas ou que frequentam o IPO.

O responsável informou que a bactéria foi detetada na semana passada, durante "uma análise de rotina" em dois locais que estão a ser alvo de "obras de fundo".

Na sequência da detecção foram tomadas medidas, nomeadamente a "colocação de filtros nos duches e locais onde pode haver risco". O presidente do instituto adiantou ainda que não foi necessário evacuar nenhum dos serviços do IPO, tendo-se apenas "fechado a água quente transitoriamente até à colocação de filtros". "O hospital já está reaberto", disse.

João Oliveira salientou que não há registo de infetados e que "nem sequer há suspeitas" disto mesmo.

A bactéria ‘legionella’ é responsável pela doença dos legionários, uma forma de pneumonia grave que se inicia habitualmente com tosse seca, febre, arrepios, dor de cabeça, dores musculares e dificuldade respiratória, podendo também surgir dor abdominal e diarreia.

A incubação da doença tem um período de cinco a seis dias depois da infeção, podendo ir até dez dias.

A infeção pode ser contraída por via aérea (respiratória), através da inalação de gotículas de água ou por aspiração de água contaminada. Apesar de grave, a infeção tem tratamento efetivo.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.