Kaleb Cole, 25, juntamente com outros três membros do grupo, produziram cartazes adornados com símbolos nazis e cocktails molotov e enviaram-nos em janeiro de 2020 a residências de vários jornalistas, muitas vezes judeus ou descendentes de minorias, e ativistas, de acordo com o Ministério da Justiça dos Estados Unidos.

Durante o seu julgamento, em um tribunal federal de Seattle, as vítimas relataram o impacto dessa campanha de intimidação: algumas mudaram-se, outras instalaram alarmes, compraram uma arma ou abandonaram o jornalismo, segundo o ministério.

Os três cúmplices de Cole preferiram declarar-se culpados e selar acordos com os promotores, o que lhes permitiu enfrentar penas menos severas. Um quinto membro do Atomwaffen Division, John Denton, foi condenado em maio a três anos e cinco meses de prisão, depois de se declarar culpado de "ameaças" e "insultos".

Denton participou numa campanha em massa de "swatting", que consiste em fazer ligações telefónicas para que unidades de intervenção de emergência da polícia americana (SWAT) sejam obrigadas a deslocar-se até determinados locais.

Denton fez as ligações entre outubro de 2018 e fevereiro de 2019, concentrando-se em 134 locais, incluindo uma igreja afro-americana, um centro islâmico e residências de jornalistas.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.