As imagens divulgadas pela Coreia do Sul mostram o presidente sul-coreano, Moon Jae-in, a cumprimentar o líder norte-coreano, Kim Jong-un, na Zona Desmilitarizada que separa as duas nações.

Segundo a presidência sul-coreana, ambos os líderes se reuniram por cerca de duas horas na localidade de Panmunjom e fizeram uma declaração, na qual prometeram melhorar os laços.

"Trocaram opiniões e conversaram sobre maneiras de aplicar a declaração de Panmunjom e garantir o êxito da reunião entre Estados Unidos e Coreia do Norte", afirmou a mesma fonte, acrescentando que Moon faria uma declaração pessoal na manhã de domingo.

Na quinta-feira, Trump cancelou o encontro previsto com Kim Jong-un em Singapura, em 12 de junho, por uma "hostilidade aberta" de Pyongyang.

Mas, um dia depois, afirmou que a cúpula ainda poderia acontecer, após "produtivas" conversas entre autoridades americanas e norte-coreanas.

Distensão notável

A decisão de anular a histórica reunião surpreendeu a Coreia do Sul, que havia conseguido uma espetacular aproximação entre Estados Unidos e Coreia do Norte, depois de meses de intensa escalada retórica entre Kim e Trump.

Nas fotografias publicadas pela presidência sul-coreana, vê-se Moon a apertar a mão de Kim Jong-un e de sua irmã, Kim Yo-jong, que teve um papel importante nas recentes conversas com a Coreia do Sul.

A reunião de Moon e Kim ocorreu num grande prédio no lado norte-coreano de Panmunjom, um povoado fortificado que fica entre os dois países e marca o local onde foi assinado o armistício que deu fim à Guerra da Coreia, em 1953.

No mês passado, os líderes encontraram-se no mesmo local, onde Kim fez o histórico gesto de convidar Moon a cruzar brevemente para o Norte, antes de os dois conversarem num prédio no lado Sul.

A reunião deste sábado é apenas a quarta que os líderes das duas Coreias já tiveram. Os países, tecnicamente, continuam em guerra.

Ao contrário da cúpula do mês passado, celebrada com transmissões ao vivo, a reunião deste sábado deu-se no mais absoluto sigilo. A imprensa foi avisada quando o encontro já tinha sido concluído.

Montanha-russa

A reunião é o mais recente capítulo da montanha-russa que a península coreana viveu em poucos meses.

No ano passado, Trump e Kim trocavam ameaças de guerra depois de Pyongyang testar a sua bomba nuclear mais poderosa até ao momento e lançar mísseis de teste que disseram serem capazes de alcançar os Estados Unidos.

As tensões reduziram-se depois de Kim se oferecer para enviar uma delegação aos Jogos Olímpicos de Inverno da Coreia do Sul, provocando uma importante distensão que levou Trump a concordar em ter diálogos diretos com Pyongyang.

Koh Yu-hwan, especialista em relações coreanas na Universidade Dongguk, disse que a reunião de sábado entre Moon e Kim aumenta a probabilidade de a reuniãode Singapura ser celebrada dentro do previsto.

"A reunião de hoje tem como objetivo resolver o mal-entendido provocado por erros de comunicação entre Washington e Pyongyang e assentar as bases para a reunião entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte", disse à AFP.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.