A maioria dos médicos americanos é contra a decisão do presidente Donald Trump de acabar com a reforma de saúde promovida por Barack Obama e acredita que esta ser melhorada, e não eliminada - de acordo com um estudo publicado ontem. Para esta sondagem publicada no New England Journal of Medicine foram entrevistados 423 médicos da American Medical Association's Physician Masterfile, uma base de dados com mais de 1,4 milhão de médicos, residentes e estudantes dos Estados Unidos, selecionados de maneira aleatória.

"O que ouvimos é que a maioria dos médicos de cuidados primários está aberta a mudanças na lei, mas esmagadoramente contra a sua completa derrogação", disse o principal autor do estudo, Craig Pollack, professor associado de Medicina na Johns Hopkin University School of Medicine.

Apenas 15% dos médicos entrevistados apoiam a extinção do Obamacare.Enquanto isso, 74% se mostraram-se favoráveis a mudanças, como por exemplo "criar uma opção pública como o Medicare para completar com planos privados, pagando os médicos por valor, em vez de por volume, e aumentar o uso de contas de poupança de saúde", revela o inquérito.

Apenas 29% dos médicos são a favor de aumentar o uso dos seguros de saúde com altas deduções: os pacientes pagam prestações mensais baixas para a cobertura médica, mas têm de desembolsar anualmente milhares de dólares pelos serviços médicos até completar o valor dedutível.

Uma das primeiras ações de Donald Trump como presidente foi assinar, também em 20 de janeiro, uma ordem com o objetivo de limitar a "carga financeira" do Obamacare.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.