Malala junta-se a várias personalidades, entre as quais cinco antigos chefes do Governo britânico, que receiam eventuais cortes que podem vir a ser anunciados hoje pelo ministro das Finanças, Rishi Sunak, no quadro da apresentação do orçamento do Reino Unido.

“A covid-19 pode forçar mais de 20 milhões de raparigas a abandonar a escola. Para as raparigas continuarem a aprender, nós temos de ter dirigentes que tenham a educação como uma prioridade”, disse hoje a jovem paquistanesa através de mensagens difundidas pelas redes sociais.

Apelando diretamente ao primeiro-ministro Boris Johnson e ao ministro das Finanças para manterem os 0,7% do Produto Interno Bruto (PIB) britânico aplicados à ajuda internacional, Malala disse estar à espera que Londres cumpra a “promessa” formulada em 2019.

Rishi Sunak disse no passado fim de semana à estação Sky News que o Reino Unido está sujeito a “uma enorme pressão” devido ao “choque económico”, deixando entender cortes na despesa.

Numa declaração conjunta, os ex-primeiros ministros britânicos David Cameron e Tony Blair consideram “erro moral, estratégico e político” o abandono do “objetivo de aplicar os 0,7% do PIB na ajuda internacional”.

Theresa May, Gordon Brown e John Major também se mostraram contra os cortes orçamentais dedicados à ajuda internacional juntando-se a outros dirigentes da sociedade civil e a 187 organizações como o Greenpeace e o Save the Children.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.