Em declarações aos jornalistas no Palácio de Belém, em Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa realçou, contudo, que “há desafios” a enfrentar neste “novo tempo”, sobre os quais prometeu falar na quarta-feira, na cerimónia de posse do novo Governo chefiado por António Costa.

“Reservo-me para o discurso de tomada de posse”, afirmou o chefe de Estado. “Penso que esse é o momento adequado para falar dos desafios do novo Governo”, acrescentou, tendo ao seu lado a Presidente da República Helénica, Katerina Sakellaropoulou, que hoje recebeu no início da sua visita de Estado a Portugal.

Sobre o atual quadro político nacional, resultante das legislativas de 30 de janeiro, Marcelo Rebelo de Sousa considerou que “a crise política vivida inesperadamente no momento da rejeição do Orçamento do Estado”, em outubro do ano passado, que o levou a dissolver o parlamento e antecipar eleições, “teve uma resposta do povo português” e que “nesse sentido, se virou uma página”.

“Está virada a página, agora passamos para a página seguinte. A página foi virada, por uma coincidência que era inimaginável na altura, em vésperas da crise política internacional”, prosseguiu, referindo-se à invasão russa da Ucrânia, iniciada em 24 de fevereiro.

O Presidente da República reiterou que na política interna “houve um virar de página”, mas realçou que, “no novo tempo, além de heranças do antigo tempo” — a pandemia de covid-19 “a converter-se em endemia” e a guerra na Ucrânia — “depois, há desafios”.

“Mas esses serão tema de depois de amanhã [quarta-feira], e não de hoje”, concluiu.

Na terça-feira, 29 de março, terá início a XV Legislatura, quase dois meses depois das legislativas de 30 de janeiro, que o PS venceu com maioria absoluta. O processo foi mais demorado devido à repetição de eleições no círculo da Europa, determinada pelo Tribunal Constitucional por terem sido misturados votos válidos com votos nulos em 151 mesas de voto.

Segundo o mapa oficial da Comissão Nacional de Eleições (CNE) publicado em Diário da República no sábado, 26 de março, o PS venceu as legislativas de 30 de janeiro com 2.302.601 votos, 41,38% do total, e elegeu 120 dos 230 deputados.

O PSD ficou em segundo lugar, com 77 eleitos, e o Chega conseguiu a terceira maior bancada, com 12 deputados, seguindo-se a Iniciativa Liberal, com 8, o PCP, com seis, o BE, com cinco, o PAN, com um, e o Livre, também com um.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.