Marcelo Rebelo de Sousa discursava na sessão de encerramento da “Conferência Democracia: Juventude em Ação”, na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, perante uma plateia constituída maioritariamente por jovens.

“É na vossa idade que se muda o mundo. Eu espero que os mais velhinhos percebam que é tempo de cederem muitos, muitos lugares aos mais novos. Se querem renovar a democracia portuguesa e democracias europeias, não há nada como começarem por renovar aqueles que têm a palavra decisiva”, declarou, no fim do seu discurso.

O chefe de Estado acrescentou que “também isso é um grande desafio para a Europa no ano que vem”, referindo-se às eleições de junho de 2024 para o Parlamento Europeu, e concluiu: “Está nas vossas mãos. Agora vamos a isso. Viva a Europa democrática, mas social e solidária”.

Marcelo Rebelo de Sousa abordou o tema da participação dos jovens na política logo no início da sua intervenção, que durou cerca de meia hora, considerando que ”um dos problemas das democracias, e nelas das democracias europeias, é que há poucos jovens em lugares de decisão na política nacional e europeia”.

“Assim envelhecem os regimes”, advertiu.

O Presidente da República criticou que perante alguém com 30 ou 40 anos se diga que “é muito jovem” e defendeu que este “é um problema de mentalidade, é um problema de cultura cívica e é um problema fundamental para construir uma Europa e uma democracia mais fortes”.

Mais à frente, o chefe de Estado perguntou aos jovens se “a Europa deve fechar-se ou deve abrir-se ao mundo”, e deu a resposta, manifestando-se contra aqueles que entendem que “deve ser xenófoba, ou deve ser racista, ou deve ser egoísta”.

“Foi para isso que se fez a Europa? Não, fez-se para o contrário”, argumentou.

Marcelo Rebelo de Sousa alertou que “no debate das eleições europeias vai aparecer quem venha com propostas egoístas: ignorar o mundo, fechar a Europa, proteger a Europa, blindar a Europa, visões securitárias, não abrir, não dialogar, deixar para depois a solidariedade”.

“Não pode ser”, afirmou. “Tem de procurar a paz, tem de procurar o diálogo, tem de combater as xenofobias, tem de combater as desigualdades e as injustiças, tem de promover o desenvolvimento. Tem de olhar, vocês falaram nisso, para os problemas dos mais jovens, onde não há crescimento”, contrapôs.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.