O texto, assinado pelo sociólogo Mathias de Alencastro, faz um apanhado da atuação política de Mário Soares desde a década de 1950, frisando que quando regressou do exílio para Portugal, em 1974, tornou-se um líder pró-europeu em oposição a Álvaro Cunhal que era ligado a Moscovo.

"Deslumbrado com o resto do mundo depois de décadas de censura e de isolamento, o Portugal pós-fascista e pós-colonial encontrava-se numa encruzilhada entre dois caminhos: a inserção no projeto europeu e a tentação pró-soviética", aponta o texto.

A análise continua dizendo que "depois de três anos intensos, marcados pelo verão quente de 1975 quando um golpe de inspiração comunista quase se concretizou, [Mário] Soares triunfou, e Portugal deu início a uma das fases mais prósperas da sua história: a integração em passo acelerado na União Europeia".

O texto lembra que apesar deste trunfo político, Mário Soares era considerado uma figura controversa em Portugal já que parte da população o responsabilizou pela descolonização.

" Os ‘retornados' - milhares de portugueses forçados a regressar depois de nascerem ou passarem grande parte da vida nas colónias - formam ainda hoje um grupo visceralmente anti-Soarista", indica.

O jornal brasileiro também menciona a tentativa fracassada de Mário Soares voltar à Presidência em 2006, aos 81 anos, facto que o teria impedido de sair da política pela porta grande.

"A sua campanha, dirigida aos jovens eleitores, foi ridicularizada, e o seu desempenho eleitoral foi pífio, com apenas 14% dos votos. Mas esse episódio embaraçoso não foi suficiente para manchar seu legado", lembra.

O texto termina com elogios a Portugal, um dos únicos países europeus onde o neofascismo não tem prosperado e onde o sucessor de Mário Soares no Partido Socialista, António Costa, selou uma aliança histórica com os comunistas, encerrando o conflito aberto depois da Revolução dos Cravos.

"Um panorama animador para um país que, em 1974, caiu nas mãos de [Mário] Soares em estado de calamidade militar, social e política", conclui.

Mário Soares morreu no Hospital da Cruz Vermelha, em Lisboa, onde estava internado há 26 dias, desde 13 de dezembro.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.