Vincando as "muitas décadas de convívio, amizade, partilha de valores e combates políticos" entre si e Soares, Vítor Constâncio quis passar no Mosteiro dos Jerónimos para prestar tributo "ao homem, ao cidadão, ao estadista, aquele que foi realmente o mais marcante na vida portuguesa no século XX, indiscutivelmente".

"Foi uma despedida emocional", disse ainda aos jornalistas o atual vice-presidente do Banco Central Europeu, que foi depois questionado sobre divergências políticas no passado, nomeadamente quando em meados da década de 1980 tentou - quando estava à frente do PS - formar executivo com o PRD.

"Ele era um homem livre, com convicções profundas, fez as suas críticas", assinalou Constâncio, que assevera que as "coisas muito ligeiras" e replicadas com "algum exagero" na imprensa foram resolvidas com Mário Soares, que morreu no sábado.

Constâncio falava aos jornalistas cerca das 21:00, numa altura em que voltavam a ser centenas as pessoas que faziam fila para prestar um último tributo ao antigo Presidente da República, depois de, pela hora do jantar, ter sido menor a afluência de populares.

Mário Soares morreu no sábado, aos 92 anos, no Hospital da Cruz Vermelha, em Lisboa.

O Governo português decretou três dias de luto nacional, até quarta-feira.

O corpo do antigo Presidente da República está em câmara ardente no Mosteiro dos Jerónimos desde as 13:10 de hoje, depois de ter sido saudado por milhares de pessoas à passagem do cortejo fúnebre pelas principais ruas da capital com escolta a cavalo da GNR.

O funeral realiza-se na terça-feira, pelas 15:30, no Cemitério dos Prazeres, em Lisboa, após passagem do cortejo fúnebre pelo Palácio de Belém, Assembleia da República, Fundação Mário Soares e sede do PS, no Largo do Rato.

Nascido a 07 de dezembro de 1924, em Lisboa, Mário Alberto Nobre Lopes Soares, advogado, combateu a ditadura do Estado Novo e foi fundador e primeiro líder do PS.

Após a revolução do 25 de Abril de 1974, regressou do exílio em França e foi ministro dos Negócios Estrangeiros e primeiro-ministro entre 1976 e 1978 e entre 1983 e 1985, tendo pedido a adesão de Portugal à então Comunidade Económica Europeia (CEE), em 1977, e assinado o respetivo tratado, em 1985.

Em 1986, ganhou as eleições presidenciais e foi Presidente da República durante dois mandatos, até 1996.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.