"Fui à morgue e encontrei a minha irmã carbonizada e em pedaços", disse o médico de 34 anos à AFP, no hospital principal em Khan Yunis, no sul da Faixa de Gaza.

"No terceiro dia da guerra, enquanto trabalhava na unidade de emergência no Hospital Nasser, descobri que a minha irmã tinha sido morta com o seu marido e filhos", disse.

Os bombardeamentos estão a destruir edifícios inteiros, incluindo um onde residia uma outra irmã de Astal. Sadafah, de 40 anos, morreu ao lado do marido Hussein, também 40, e dos filhos Fadwa, Azar, Ahmad e Suleiman, com idades entre seis e 13 anos.

Israel começou a atacar a Faixa de Gaza após o ataque do Hamas em 7 de outubro, que viu homens armados a atravessarem a fronteira e matarem 1.400 pessoas, a maioria civis e fazendo 229 reféns, de acordo com as autoridades israelitas.

A retaliação por via aérea custou até agora a vida de mais de 7.300 pessoas, incluindo cerca de 3.000 crianças, no território, de acordo com o Ministério da Saúde da Faixa de Gaza, administrado pelo Hamas.

"Desde a morte da minha irmã... os pesadelos não me deixam. Imagino quando vou ver os meus filhos a chegar ao hospital em pedaços", disse Astal. "Os meus filhos sonham em viajar. Agora não sei se eles vão sair desta guerra vivos."

Apesar da tragédia, o médico está determinado a continuar o seu trabalho de ajuda. "Não temos outra escolha senão trabalhar e servir os feridos e tentar salvá-los."

'Cheiro a morte'

Walaa Abu Mustafa, 33 anos, também trabalha como médico na unidade de emergência do hospital.

Vestindo um colete médico vermelho, o médico examina uma jovem com um ferimento na cabeça e a chorar na sala de emergência. "Não tenhas medo," diz o médico à rapariga ensanguentada.

Ele também ficou chocado ao encontrar a tia Samira e o seu marido Tawfik mais o filho de 15 anos Sharif entre as "dezenas" de vítimas de um ataque israelita que chegou ao hospital na sexta-feira.

Samira e Sharif já estavam mortos quando deram entrada na emergência, enquanto o marido Tawfik não resistiu aos ferimentos e morreu pouco depois, disse Mustafa.

"O corpo rasgado do meu primo chegou embrulhado num lençol", disse o médico ao repórter da AFP.

"A minha tia era como uma mãe para mim," continuou, lutando para recuperar o fôlego. "Eu não posso falar, estou em choque com o que aconteceu."

Também o médico prometeu continuar o trabalho, “porque é meu dever e não há médicos suficientes", disse.

O seu colega de trabalho, o médico Raed al-Astal, estava no hospital na segunda-feira quando recebeu uma chamada em pânico da esposa a dizer que um ataque atingiu o prédio em frente ao deles.

Ele correu para a unidade de emergência onde foram levadas as vítimas e viu parentes seus entre os mortos.

"A minha tia, o marido e os filhos, bem como a esposa do meu primo, foram mortos", disse. "O cheiro da morte está em toda parte, em cada bairro, em cada rua e em cada casa."

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.