Sete funcionárias do príncipe saudita nascidas entre 1970 e 1983, a maioria de origem filipina, apresentaram uma queixa em outubro de 2019 por escravatura moderna, confirmou a acusação, acrescentando que foi ainda adicionada uma queixa mais antiga ao processo.

Os factos remontam aos anos de 2008, 2013 e 2015 e terão ocorrido num apartamento na comuna francesa de Neuilly-sur-Seine, nos subúrbios de Paris.

Uma fonte próxima da investigação, citada pela AFP, referiu que as queixosas foram ouvidas “há poucas semanas”.

De acordo com a mesma fonte, o príncipe, entretanto, ainda não foi ouvido pelas autoridades, uma vez que se encontra fora do território francês.

As mulheres, recrutadas na Arábia Saudita, terão aproveitado para fugir durante uma viagem a França, acrescentou a fonte.

Segundo o jornal francês ‘Le Parisien’, as mulheres eram responsáveis principalmente por cuidar dos quatro filhos do casal e estavam “à sua disposição dia e noite toda a semana”, com exemplos de algumas a dormir “no chão”.

A investigação está a cargo do departamento policial de Neuilly-sur-Seine e do departamento de Combate ao Crime Organizado ligado à imigração ilegal.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.