A organização não-governamental indicou que cerca de 20 ativistas entraram na central pelas 06:20 (05:20 em Lisboa) para alertar contra a “extrema vulnerabilidade” das piscinas de combustível nuclear usado.

Os ativistas quiseram “denunciar a inação” da energética EDF, operadora dos 58 reatores nucleares em solo francês, face aos alertas sobre o “risco nuclear”.

Alguns dos ativistas subiram a uma dessas piscinas, enquanto outros deixaram a marca da sua mão, para “demonstrar a sua acessibilidade”.

A Greenpeace recordou que no passado dia 12 de outubro outro grupo entrou na central de Cattenom, no noroeste do país, para evidenciar também a sua fragilidade.

“Desde então, a EDF não fez nada”, acrescentou a ONG, que indicou que os seus ativistas conseguiram entrar hoje no local “em menos de dez minutos” e alertou que as piscinas de combustível são as que mais radioatividade contêm e não estão suficientemente protegidas de ataques exteriores.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.