O pai e a madrasta da menina foram detidos no domingo, indiciados dos crimes de homicídio qualificado e profanação de cadáver.

Em resposta à agência Lusa, a CPCJ de Peniche, no distrito de Leiria, esclareceu que a criança foi sinalizada em abril de 2019, depois de ter fugido da casa do pai e ter sido encontrada pelas autoridades policiais logo de seguida.

Um mês depois, o processo foi arquivado.

"Tendo em conta os factos sinalizados e a informação recolhida à data, entendeu a CPCJ que não havia situação que justificasse a necessidade da aplicação de medida de promoção e proteção", justificou a CPCJ.

Após essa data, a CPCJ não voltou a sinalizar a criança.

Questionada sobre os três menores, filhos do casal indiciado dos crimes de homicídio qualificado e profanação de cadáver, a CPCJ informou que o processo relativo à sua guarda foi remetido para decisão ao Tribunal de Família e Menores de Caldas da Rainha.

A criança, de 9 anos, que se encontrava desaparecida desde quinta-feira, após denúncia do pai à GNR, foi encontrada morta no domingo pela Polícia Judiciária (PJ), depois de ter sido vítima dos alegados crimes de homicídio e ocultação de cadáver.

A PJ deteve o pai, de 32 anos, e a madrasta, de 38, como sendo os principais suspeitos, após interrogatórios e provas recolhidas, e reconstituiu o crime com a sua colaboração.

A criança terá sido morta na tarde de quarta-feira dentro da moradia da família e o corpo levado depois para um eucaliptal, a seis quilómetros, já na freguesia de Serra d'el Rei, pertencente ao mesmo concelho, onde foi tapado com arbustos.

A menina residia com a mãe, mas estaria a viver com o pai no atual contexto da pandemia.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.