A manifestação, composta sobretudo por mulheres e jovens, atravessou a cidade em direção à casa do vice-primeiro-ministro, Jaroslaw Kaczynski, uma das principais figuras dos conservadores e considerado responsável pela medida. No entanto, as autoridades conseguiram bloquear o acesso à rua onde vive o vice-primeiro-ministro.

Já durante a noite, um grupo de agricultores que acusava o governo de nada fazer em relação à queda dos preços dos alimentos também atirou para a rua de Jaroslaw Kaczynski um porco morto, assim como batatas e ovos.

Os protestos iniciaram-se em 22 de outubro, quando o Tribunal Constitucional, reformado pelo Partido da Lei e Justiça (PiS), e de acordo com a vontade desta foramção política, proibiu a interrupção voluntária da gravidez em casos de malformação grave do feto, alegando que era “incompatível” com a Constituição.

A decisão resultou na proibição de todos os abortos, exceto em casos de violação e incesto ou quando a vida da mãe está em perigo.

As manifestações contra a polémica lei e o governo conservador não desmobilizaram com a pandemia de covid-19, que já causou mais de 22 mil mortos na Polónia.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.