Numa nota emitida pela Procuradoria-Geral da República (PGR), é referido que os factos decorreram entre 2012 e 2017 e “atingiram servidores da administração pública central e autárquica, de universidades, de escolas, de outras instituições públicas e de empresas”.

Ao todo, no inquérito, foram reunidos outros 25 processos, tendo os arguidos agido a partir de diversas zonas do país, atingindo alvos dispersos por todo o território nacional.

Segundo o Ministério Público, na investigação foram realizadas mais de quatro dezenas de buscas e efetuadas apreensões de equipamento informático: cerca de três centenas de computadores e outros suportes de dados digitais, como ‘tablets’ ou discos externos.

As perícias foram realizadas por especialistas informáticos da Polícia Judiciária (PJ) e de instituições universitárias, tendo sido inquiridas cerca de 50 testemunhas.

O inquérito correu termos no Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa, com a colaboração da Unidade Nacional de Combate ao Cibercrime e à Criminalidade Tecnológica da PJ.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.