“É importante dizer que só deve vacinar-se quem tem critério… é importante que se perceba isto, para todas as vacinas. (…) Há indicações terapêuticas que devem ser seguidas. Eu, por exemplo, não me vacinei”, afirmou Marta Temido, em entrevista ao podcast do PS Política com Palavra.

Questionada sobre as vacinas contra a gripe adquiridas para o Serviço Nacional de Saúde (SNS), a ministra explicou que todos os anos são fabricadas “em quantidade limitada”, sublinhou que este ano foram compradas mais doses do que no ano passado e que as 2,5 milhões disponíveis (no SNS e nas farmácias) “seriam suficientes para a vacinação que habitualmente o país faz”.

Sublinhando que o Governo adquiriu para o SNS “toda a quantidade que podia” de vacinas da gripe – mais de dois milhões de doses -, a ministra lembrou que as farmácias conseguiram comprar cerca de 500 mil e que, no total, isso seria necessário para quem tem indicação de fazer a vacina a receber.

“Este ano tivemos uma procura de pessoas que habitualmente não se vacina”, disse a ministra, dando o exemplo de muitos profissionais de saúde.

Segundo os dados disponibilizados pela governante, foram administradas 1,4 milhões de doses da vacina da gripe e há ainda 400 mil em ‘stock’ para serem administradas.

“A última fatia — de 200 mil doses — chegará no final do mês”, disse a ministra, lembrando que “não há mais vacinas disponíveis no mercado mundial”.

Sobre a forma como a Direção-Geral da Saúde tem lidado com a pandemia e sobre se mantém a confiança na diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, a ministra respondeu: “Absolutamente”.

Quanto à vacina contra a covid-19, a ministra disse que o Governo está a “preparar tudo para poder ter a distribuição da vacina em janeiro” e que os especialistas estão a trabalhar em quatro tópicos: a população-alvo a vacinar e os grupos prioritários, a logística (transporte e armazenamento), o registo informático da administração da vacina e eventuais reações adversas e a comunicação.

“Está uma ‘task-force’ a acompanhar o tema, com elementos dos serviços centrais, da DGS e peritos que deve fazer essa definição [da estratégia de vacinação]”, afirmou, sublinhando que estarão em análise os grupos-alvo acima de determinada idade, as pessoas com comorbilidades, os profissionais de saúde e dos serviços essenciais (proteção civil e forças de segurança) e, eventualmente, os dos serviços sociais.

“A definição concreta e prioridades ainda terão de ser melhor especificadas”, acrescentou.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.