Em declarações aos media brasileiros, Raul Jungmann disse que o futuro Presidente do Brasil e também o próximo governador do Rio de Janeiro – escolhidos nas eleições de outubro – deviam prolongar a presença das Forças Armadas na manutenção da ordem pública na cidade.

“É o tempo necessário para que possamos concluir o legado. Se tivermos mais tempo, virão melhores resultados”, disse.

O decreto de intervenção militar no Rio de Janeiro, assinado em fevereiro pelo presidente brasileiro Michel Temer, é válido até 31 de dezembro, mas o ministro quer que se estenda pelo menos até ao final de 2019, para responder à violência na cidade.

Esta decisão foi tomada após os numerosos e graves episódios de violência que ocorreram no Rio de Janeiro durante o Carnaval, a festa mais popular do Brasil e que este ano registou incidentes até nos arredores do popular e vigiado Sambódromo.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.