Fonte militar disse à Lusa que os dois governantes se encontravam no quartel da Guarda Nacional, no bairro de Luanda, arredores de Bissau, de onde foram levados novamente “para as celas da Polícia Judiciária” no bairro de Reno.

Suleimane Seidi e Antonio Monteiro foram postos em prisão preventiva, na quinta-feira, apôs seis horas de interrogatórios no Ministério Público, e momentos depois foram retirados das celas pela Guarda Nacional.

Por volta da 01:00 desta manhã eclodiram violentos tiroteios em Bissau, concretamente junto ao quartel da Guarda Nacional, no bairro de Luanda.

Fontes militares indicaram à Lusa tratar-se de confrontos entre soldados daquela corporação e elementos do Batalhão da Presidência da República.

As mesmas fontes precisaram que a Polícia Militar foi enviada ao local dos combates e esta manhã, por volta das 08:30, deteve o comandante da Guarda Nacional, coronel Vítor Tchongo, e “mais alguns elementos” daquela corporação.

Tchongo e os outros detidos da Guarda Nacional foram conduzidos para as celas no quartel do Estado Maior General das Forças Armadas, na Amura, no centro de Bissau.

Na capital da Guiné-Bissau deixaram de se ouvir, por volta das 09:00, os disparos de armas, que começaram cerca das 01:20 desta sexta-feira, prolongaram-se por alguns minutos e voltaram a ouvir-se pouco depois das 07:00.

Nos dois momentos, os tiros ecoaram por toda a cidade de Bissau e partiram das imediações do quartel no bairro de Luanda e de outras instalações da Guarda Nacional, de acordo com os relatos que foram chegando à Lusa.

A zona dos bairros mais próximos dos disparos, como Santa Luzia, Luanda, Empantcha esteve, nas primeiras horas da manhã, sem movimentos de viaturas e pessoas, algum comércio encerrou na capital da Guiné-Bissau, mas noutras zonas da cidade a população manteve as rotinas normais, mesmo com o som dos disparos.

Os tiros aconteceram na sequência de tensões vividas durante toda a noite de quinta-feira, depois de o Ministério Público ter decretado a prisão preventiva do ministro das Finanças, Sulemaine Seide, e do secretário de Estado do Tesouro, António Monteiro.

Os governantes estão a ser investigados no âmbito de um pagamento de seis mil milhões de francos CFA (cerca de 10 milhões de dólares) a 11 empresários, através de um crédito a um banco comercial de Bissau.

Logo após a denúncia do caso, o Ministério Público efetuou buscas e apreendeu documentos no Ministério da Economia e Finanças e ainda no banco que concedeu o crédito para o pagamento aos empresários.

Vários dirigentes da pasta da Economia e Finanças já foram ouvidos desde a semana passada, no âmbito do processo judicial que levou à prisão preventiva dos dois principais responsáveis do ministério.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.