Em conferência de imprensa realizada hoje, o Intendente da PSP Paulo Flor destacou que, por razões de segurança, quem quiser passar o ano na festa de Lisboa terá de escolher entre a tradição de abrir uma garrafa de champanhe à meia-noite e a segurança, que segue padrões também praticados noutras capitais europeias.

Para garantir esta segurança, à semelhança do que acontece com os grandes eventos de futebol, a PSP vai estabelecer perímetros à volta da festa, onde está estimado que acorram cerca de 200 mil pessoas.

No primeiro deles, no exterior da área identificada, passam apenas transportes públicos e veículos autorizados e fica “nos limites da Rua Dom Carlos I com a 24 de Julho, do Rossio com a Rua do Ouro, do Martim Moniz com a Rua da Palma e da Avenida Infante Dom Henrique com a Avenida Mouzinho de Albuquerque”.

Para impedir a entrada de veículos não autorizados, neste perímetro exterior vão ser colocados carris metálicos anti veículos.

“A colocação de carris anti veículos e outros obstáculos de restrição automóvel será realizada a partir das 18:00 do dia 31 ou talvez um pouco antes, mas, claramente, no perímetro exterior será mais visível a partir das 17:30, para garantir que, a partir das 18:00, esse mesmo perímetro está criado e está seguro do ponto de vista de acessos”, salientou Paulo Flor.

Haverá ainda um perímetro intermédio e um perímetro interior, junto ao recinto improvisado da festa, acessível a partir das 21:00, onde a PSP estabeleceu oito pontos de revistas aleatórias de cidadãos.

Segundo as regras de segurança neste recinto são ainda proibidas armas de fogo e armas brancas, explosivos, seringas, bancos ou cadeiras, buzinas de ar comprimido, apontadores laser, ‘selfie sticks’ e megafones.

As mochilas não devem ter um tamanho superior ao de uma folha A3, mas há a garantia, segundo Paulo Flor, de que todas “vão mesmo ser revistadas”.

Festejos da passagem de ano em Lisboa condicionam trânsito na Baixa da cidade
Festejos da passagem de ano em Lisboa condicionam trânsito na Baixa da cidade
Ver artigo

Será criado ainda um corredor de emergência na Avenida da Ribeira das Naus, entre o Ministério das Finanças e a Marinha, “para uma melhor prestação de serviço dos bombeiros, polícia e restante Proteção Civil”.

A melhor forma de chegar ao local, de acordo com a PSP, é de transportes públicos.

Os constrangimentos ao trânsito na zona começam já hoje, com o corte total na Praça do Comércio entre as 21:00 e as 00:30, devido à realização de um concerto com Ana Moura, e cortes nas envolventes, como a Praça Duque da Terceira/Cais do Sodré, Avenida Infante D. Henrique e desta com a Rua Cais de Santarém e estação Sul e Sueste, Rua da Alfândega com a Praça do Comércio, Rua da Prata com a Rua do Comércio e Restauradores Sul. Na Rua do Ouro só passam transportes públicos.

Estes condicionamentos mantêm-se no sábado entre as 20:30 e as 01:30.

No domingo, às 18:00 será encerrada a nascente no viaduto da Avenida Infante D. Henrique e a poente no Cais do Sodré.

O corte total na Praça do Comércio e os cortes nas envolventes decorrem entre as 10:00 e as 05:00.

Todas as estruturas da Praça do Comércio serão encerradas pela PSP às 02:15 da manhã.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.