“Estava na Promenade des Anglais [quando] vi aquele camião em cima do passeio a levar as pessoas todas à frente. Estava já um senhor morto à minha beira. Estava cheio de mortos (…). Estou muito chocada porque havia muitas crianças mortas”, contou Fátima Lopes, de 50 anos, num relato emocionado à agência Lusa.

Descrevendo uma cena “horrível”, recorda o "pânico incrível” que se gerou, com toda a gente a gritar e “a fugir para um lado e para o outro”.

Fátima Lopes estava com o marido quando ocorreu o ataque, que fez pelo menos 84 mortos e mais de uma centena de feridos – 18 dos quais em estado crítico –, de acordo com o mais recente balanço oficial.

Tinham ido jantar com a filha a um restaurante e iam a passar, numa altura em que o fogo-de-artifício estava a acabar, quando viram um camião a seguir a alta velocidade.

“Foi tudo tão depressa, o camião ia a mais de 90 [quilómetros] à hora”, relatou Fátima Lopes, recordando que até comentou com o marido que o condutor do veículo pesado devia ter perdido o controlo ou ter tido problemas nos travões.

“Saímos do carro e começou tudo a parar, a dar assistência às pessoas, a cobri-las com o que tinham, com casacos, sei lá. Eram só mortos, só pedaços de pessoas”, descreveu.

Outros familiares de Fátima Lopes também testemunharam o ataque.

“A minha irmã se não fosse o homem dela puxá-la para trás também estava morta. Os meus sobrinhos, com 10 e 14 anos, também viram os mortos como eu e começaram a chorar”, relatou.

Depois, continuou, foi-lhes dito para que se afastassem e ouviram-se tiros. “O que a gente queria era meter-se num cantinho e não mexer mais”, lembrou.

Fátima Lopes também recordou que estavam muitos portugueses no local, pelo que teme que estejam alguns entre as vítimas.

Segundo dados facultados à agência Lusa pelo secretário de Estado da Comunidades, José Luís Carneiro, atualmente encontram-se em Nice aproximadamente 10 mil portugueses.

Um homem lançou um camião contra uma multidão na avenida marginal de Nice, a Promenade des Anglais, que na quinta-feira assistia a um fogo-de-artifício para celebrar o dia nacional de França.

As autoridades francesas consideram estar perante um atentado terrorista e o Presidente da França, François Hollande, anunciou o prolongamento por mais três meses do estado de emergência que vigora no país desde o ano passado.

A autoria do ataque ainda não foi reivindicada.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.