A cimeira está marcada para 16 e 17 de setembro e estará centrada em condenar as sanções financeiras e “ataques” à revolução bolivariana, feitas pelo “poder económico mundial”.

“Companheiros de todo o mundo, de toda a América, das Caraíbas, dos EUA e da Europa (…): espero ver-vos a 16 e 17 de setembro. O mundo inteiro está convidado para a jornada de diálogo, paz e soberania do povo da Venezuela”, afirmou, num vídeo divulgado através da rede social Twitter.

Segundo Nicolás Maduro, a Venezuela “está a ser ameaçada – como nunca antes – pelo império do norte”.

“Os supremacistas que governam os Estados Unidos ameaçaram a Venezuela com sanções, perseguições financeiras e ameaças militares e temos uma só resposta: a solidariedade e a vitória”, avançou.

A Casa Branca impôs na sexta-feira novas sanções financeiras à Venezuela, entre as quais a proibição de comprar obrigações emitidas pelo Estado venezuelano ou pela companhia petrolífera nacional.

“Não ficaremos parados perante o desmoronamento da Venezuela”, disse a Casa Branca no comunicado que anunciava as sanções.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.