A informação foi revelada aos jornalistas, no recinto do festival, num balanço da edição deste ano que hoje termina, com lotação esgotada.

À agência Lusa, Álvaro Covões considerou que a edição deste ano – adiada duas vezes por causa da pandemia da covid-19 – foi positiva, apesar dos constrangimentos, nomeadamente na circulação dos aeroportos no espaço europeu.

Em 2023, o festival voltará a ter três dias de duração, regressando ao formato habitual, uma vez que este ano contou excecionalmente com quatro dias.

No Passeio Marítimo de Algés, a organização contabilizou a presença de 210.000 pessoas este ano, nos quatro dias, tendo esgotado os bilhetes para sexta-feira e hoje, o último desta edição do festival.

Em conferência de imprensa, Álvaro Covões revelou que, das 210.000 pessoas, 25.000 foram estrangeiros.

Stromae, The Strokes, Florence + The Machine, Dino d’Santiago, Metallica, St. Vincent e Da Weasel, que atuam hoje no palco principal, são alguns dos 165 artistas e bandas que fizeram parte da edição deste ano do festival Alive.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.