O INE registou 290 mil jovens, habitualmente designados 'jovens nem-nem', entre abril e junho passados, revelando que existe uma trajetória descendente desde o máximo de 443,6 mil observado no terceiro trimestre de 2012.

No grupo de 'jovens nem-nem' registados no segundo trimestre deste ano, a maioria (60,5% do total) encontrava-se numa situação de desemprego e apenas 19,9% do total tinham ensino superior.

O INE revela ainda que a maioria (59,4%) dos jovens dos 15 aos 34 anos não se encontrava a estudar no segundo trimestre deste ano, sendo a vontade de começar a trabalhar e as razões financeiras as principais motivações para a não conclusão ou a não continuação dos estudos.

“Cerca de seis em cada 10 jovens não tiveram experiência profissional durante os estudos”, acrescenta o INE no relatório 'Jovens no Mercado de Trabalho', um módulo ‘ad hoc’ realizado em conjunto com o Inquérito ao Emprego no segundo trimestre de 2016.

Dos 1.467,7 mil jovens que estavam empregados há menos de 12 meses ou que não tinham emprego (eram desempregados ou inativos), a quase totalidade (89,0%) afirmou naquele inquérito não ter recebido apoio institucional para encontrar emprego nos últimos 12 meses.

“O principal método pelo qual os trabalhadores por conta de outrem referem ter encontrado o atual emprego foi a rede de familiares, amigos e conhecidos”, lê-se no relatório.

As estatísticas do INE revelam também que metade dos jovens empregados afirma ter as qualificações adequadas para as funções exercidas e um terço considera-se sobre qualificado.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.