"No espaço de uma geração teremos, para cada idoso, apenas um trabalhador e meio no ativo, teremos três idosos para cada jovem", afirmou Rui Rio num olhar sobre o atual estado da Segurança Social.

"Estamos melhor do que no período da crise, mas não podemos ignorar que as tendências demográficas são estruturais e vieram para para ficar", disse, salientando que "o problema não é conjuntural e, por isso, é fundamental [...] garantir a equidade e solidariedade intergeracional".

Uma política mais sustentável, pede, atenta sobretudo em dois pontos: a questão da fraca natalidade e o apoio à terceira idade.

"Há 5 anos nasciam mais de 200 mil crianças por ano em Portugal, hoje nascem pouco mais de 80 mil. Se não adotarmos medidas urgentes e eficazes, estaremos a legar um pesado fardo para as gerações mais novas", sublinhou.

Sobre o apoio à franja da população mais idosa, Rio salientou que "se o aumento da longevidade é um aspeto positivo da nossa sociedade, temos de ser capazes de lhe dar uma resposta social adequada".


As imagens que marcaram o 37.º Congresso do PSD


De seguida olhou para a Saúde, uma área para a qual "a atual solução governativa não tem tido capacidade para dar uma resposta capaz aos anseios das populações". "Urgências caóticas, serviços de internamento permanentemente sobrelotados, falta de recursos humanos, desertificação de médicos no interior do país, défice de investimento, deficiente manutenção dos equipamentos, atrasos no serviço de emergência médica e cativações cegas, são exemplos da clara deterioração a que o atual Governo tem conduzido o SNS [Sistema Nacional de Saúde]", sublinhou.

A proposta de Rio passa por "garantir um SNS sustentável" capaz de "coabitar um serviço privado desde que competentemente regulado e fiscalizado".

Rui Rio: "Os objetivos de natureza social são a meta que nos tem de orientar"
Rui Rio: "Os objetivos de natureza social são a meta que nos tem de orientar"
Ver artigo

"No setor da Educação a governação atual também não é motivo para Portugal se orgulhar", evidenciou Rio, que recuou 15 anos para realçar as conquistas alcançadas pelo país: "O abandono escolar precoce baixou de 45 para 13,7%, redução que não tem equivalente em mais nenhum país europeu. A escolarização média da população aproximou-se dos 9 anos e a rede escolar foi organizada e qualificada de maneira a proporcionar melhores aprendizagens."

No entanto, salienta, agora, "alteram-se as regras com o ano letivo a decorrer. Legisla-se em julho e agosto para aplicar em setembro. Acaba-se com os exames no final de ciclo, substituindo-os por provas cujos resultados para nada servem. Fazem-se alterações no curriculum escolar à medida de interesses corporativos".

"Sei bem que estamos, hoje, bem melhor do que há uma década atrás. Mas, infelizmente, essa melhoria é ainda muito escassa. Precisamos de caminhar para respostas mais humanas, que valorizem a proximidade; isto é, a integração na família e na comunidade", disse o novo presidente do PSD.

Um Estado Social como base para uma economia mais competitiva

"Não apostar nesta vertente, é condenar o país à cauda da Europa e condicionar a nossa competitividade a um modelo de mão-de-obra barata", salientou, afirmando que o novo modelo económico não pode assentar no consumo, "nem público nem privado", pois "esse foi o erro que nos conduziu à recente desgraça financeira".

Assim, o plano de Rio assenta em "continuar a insistir na ligação das empresas às universidades". "Deixar a investigação fechada entre as paredes académicas [...] significa degradar a relação custo-benefício dessa mesma investigação". "Portugal foi grande quando olhou o mundo e pequeno quando se isolou", sublinhou.

"A União Europeia, as ligações privilegiadas ao atlântico, a língua portuguesa e a nossa diáspora espalhada pelo mundo, têm de ser aproveitadas cultural e economicamente. São uma porta aberta para conseguirmos captar investimento e aumentar as nossas exportações - os dois elementos estratégicos para o nosso crescimento económico", observou Rui Rio.

Acusando o atual Governo de não ter condições "para levar a cabo políticas públicas capazes de induzir o crescimento económico", apontou como justificação única para o "fraco crescimento económico que Portugal tem conseguido - e que, mesmo assim, já está a definhar - a conjuntura internacional favorável e não qualquer semente que, para o efeito, tenha sido lançada por esta solução governativa do Partido Socialista".

O balanço

Ao longo dos últimos três dias o SAPO24 esteve a acompanhar o Congresso, com várias entrevistas realizadas em direto e que pode rever no Facebook do SAPO24. No balanço sobre o discurso de Rui Rio, a jornalista Isabel Tavares destaca o pragmatismo do novo líder social-democrata, num congresso onde a palavra de ordem foi união.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.