"Nós estamos em negociações e está tudo em aberto. Vamos ver setor a setor o caminho que é possível fazer", respondeu a líder bloquista aos jornalistas, quando questionada se o partido estaria disponível para votar favoravelmente o documento.

Catarina Martins falava à comunicação social na Assembleia da República, em Lisboa, no final de uma reunião com a Fenprof [Federação Nacional dos Professores], sobre os resultados do encontro de terça-feira com o primeiro-ministro, António Costa, na residência oficial do chefe do Executivo, em São Bento, Lisboa, sobre a proposta de Orçamento do Estado para 2020.

Notando que "o trabalho começou agora", Catarina Martins indicou que o encontro de terça-feira "foi uma primeira reunião em que o Governo trouxe alguns dos seus dados, alguns dos seus números", e o Bloco levou "as preocupações" que tem, "questões tão essenciais como aumentar os salários, aumentar as pensões, reforçar os serviços públicos, responder às questões do investimento, responder às questões fiscais".

Mas, de acordo com a líder do BE, ainda está tudo em aberto: "Começámos agora o trabalho, vamos ver nos próximos dias. Nós sempre dissemos que o Bloco de Esquerda tinha essa disponibilidade negocial mas, como digo, foi só uma primeira reunião, teremos de fazer mais caminho nos próximos dias, até do ponto de vista setorial, é esse o trabalho que está a ser preparado".

A coordenadora bloquista considerou igualmente que a reunião de terça-feira "só teve sentido porque houve disponibilidade de ambas as partes" para agora desencadear "um trabalho setor a setor, área a área".

"Se essa disponibilidade não existisse, não existia nenhum entendimento para um orçamento de tipo nenhum, o que seria grave", alertou, ressalvando de seguida que "não aconteceu isso".

"Temos disponibilidade, identificámos as áreas que são mais complicadas, onde é preciso fazer mais trabalho, e temos agora algum tempo, não muito, mas cá estaremos, empenhadamente para, nas várias áreas, encontrar soluções", precisou.

Questionada se a recuperação integral do tempo de serviço dos professores é uma linha vermelha para o próximo Orçamento do Estado, Catarina Martins indicou que "os próprios sindicatos querem agora um processo negocial sobre esta matéria".

"Nós achamos que essa negociação é importante", salientou, escusando-se a adiantar mais pormenores sobre como estão a decorrer as negociações com o executivo liderado pelo socialista António Costa.

"Já devem ter percebido que o Orçamento do Estado está em negociação e eu, sobre essa matéria, não vou avançar mais. As negociações fazem-se à mesa, já o disse várias vezes", vincou.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.